Permitindo-se viver uma vida presente

Jorge Monteiro e Drª Silvia Gomes Monteiro

A grande maioria das pessoas que se veem sofrendo com questões emocionais, não reconhece que estão fazendo escolhas equivocadas sequencialmente. Em geral, percebem que não se livram de paradigmas ou causas de culpabilidade auto-impostas, mas desconhecem outras formas de pensar, pois não foram treinadas para isso.

Sabe-se que a família tem uma grande parcela de contribuição em nossos atos e decisões. Porém, não percebemos que, por mais que haja esta influência, somos nós que tomamos a decisão de agradar aos outros em detrimento de nós mesmos. Quando a decisão tomada se torna pesada, difícil, insuportável, passamos a nos penalizar inconscientemente por isso ou culpamos os outros pelo que não deu certo, responsabilizamos o mundo e deixamos de lado a nossa própria responsabilidade no fato. E isso fica martelando no inconsciente, gritando, reclamando, mostrando este conteúdo do passado a todo o momento.

Como tudo na vida é aprendizado, ficamos hábeis em pensar, repensar, sofrer arrependimento, culpar a si mesmo e aos outros, revisar o passado, passando a reviver emoções e sentimentos que não podem mais ser mudados, porém nos conectam à tristeza do que foi equivocado e já passou. Estas emoções, no entanto, jamais nos conectarão aos momentos de felicidade e sucessos que tenhamos vivenciado, pois a natureza do Ser Humano é valorizar o erro, a dor e o insucesso.

A ansiedade se instala quando passamos a olhar o futuro não com os olhos de quem teve inúmeros sucessos, mas com os olhos daqueles que tiveram inúmeras experiências negativas no passado que não foram tratadas, ancoramos no negativo. As emoções relacionadas a estas experiências passam a ser o espelho do que ainda é desconhecido, aquilo que ainda está no futuro, que não existe, apenas foi desejado e planejado.

Nós só temos o momento presente, mas ficamos simulando, 24 horas por dia: o futuro. Acreditamos que temos o poder de manipulá-lo e evitar os dissabores. Quando a realidade assombra, surgem os sintomas psicossomáticos instantâneos: angústia, choro sem causa aparente, isolamento, pressão no peito, fraqueza, indisposição, medos, fobias, pânico, taquicardia, respiração ofegante, mal estar etc.

Nós respeitamos sua dor, compreendemos o quanto é difícil sentir-se impotente e incapaz de reagir, em que pese todos os conselhos de familiares, amigos ou até de orientação religiosa.

Você tem seu poder de escolha novamente nas mãos! Se você quer viver intensamente o presente que Deus lhe deu – a vida – e mesmo com remédios e aconselhamentos parece estar andando em círculos, está na hora da mudança! Permita-se viver uma vida presente, expandindo sua consciência e seu olhar para todas aquelas verdades absolutas que deixaram sua vida chegar aonde chegou. Você pode escolher ser feliz de outras formas, está na hora de entender, aceitar, perdoar, internalizar e realizar de uma forma inteiramente nova. Permita-se!